16 de maio de 2013

Três Homens Num Bote


título: Três Homens Num Bote
autor: J. K. Jerome
tradução: Raquel Queirós de Barros
edição: Livraria Bertrand
n.º/ano de edição: 1.ª 1976
colecção: Unibolso n.º 7
n.º pág.: 212
formato: 12x18cm 8 (in-16.º)  
capa: Licínio de Melo
estado de conservação: 3/5
presença no mercado: esgotado / raro / muito raro
ref: 26863
pvp: 6.90€
sinopse: Não fosse Jerome K. Jerome (1859-1927) um dos maiores vultos do humor inglês e tudo o que haveria a dizer acerca de “Três Homens Num Bote” caberia na genérica etiqueta "Livro de Bordo": estamos afinal (são estas as palavras do autor) diante o registo "fiel" das peripécias vividas por George, Harris e J. (já para não falar do cão!) ao longo de uma passeata pelas águas do imponente Tamisa.

As coisas complicam-se quando o suposto relato se revela a súmula de episódios tanto mais hilariantes quanto se pretender compará-los a uma simples viagem de barco.

Publicado pela primeira vez em 1889, "Três homens num barco" foi entusiasticamente recebido na Inglaterra e nos Estados Unidos, sagrando Jerome K. Jerome mestre de gerações de profissionais da comédia. Lição de refinamento britânico com um século de idade? Apenas a prova de que hoje, como nos itinerários burgueses da Inglaterra do século XIX, o humor e a ironia são bens ao serviço de alguns males bem humanos.

Curiosamente, não foi pensado como texto humorístico, muito pelo contrário: o objectivo era fazer uma descrição histórica e topográfica do Tamisa, o mais aristocrático dos rios ingleses, que Jerome adorava. Mas a graça e a frivolidade foram-se infiltrando e as passagens divertidas alcançaram tanto sucesso que, sempre que  os bocados históricos apareciam, eram cortados pelo editor de Home Chimes, que estava a publicar o texto em folhetim. 
Os três protagonistas eram, há que dizê-lo, bastante genuínos: Harris era Carl Hentschel, um polaco que muita gente confundia com um alemão; George era George Wingrave; e o próprio Jerome completa o trio que costumava apanhar o comboio em Richmond para ir passar os domingos no rio. Montmorency, o cão, também existiu, e o episódio com a chaleira baseia-se num incidente real -tal como as explorações dos três homens se baseiam nas experiências de Jerome e dos seus dois amigos.

detalhes: ---

encomenda/reserva:
tel: 21 795 93 39
NIB: 0018 0003 1620 840 702 071
(sujeito a confirmação de stock)
(portes grátis para Portugal)

Sem comentários: